Guia da Bundesliga 2020/21 - Hertha Berlin



A temporada 2020/21 da Bundesliga está prestes a começar. Por isso, a equipe do Fussball Brasil se reuniu para fazer um guia da temporada para você ficar por dentro das equipes que disputarão esta edição da primeira divisão do Campeonato Alemão. Aqui, falaremos do Hertha Berlin - clique para conferir o guia completo.

INFORMAÇÕES BÁSICAS

Participação: 38ª
Titulos do Campeonato Alemão: 2 títulos
Estádio: Olympiastadion Berlin (74,649)
Cidade: Berlin
Apelido: Alte Dame (Velha Senhora)

COMO FOI A TEMPORADA 2019/20

O Hertha viveu uma temporada cercada de expectativas, caras novas, visibilidade, dinheiro e polêmicas. Com um novo investidor milionário e quatro treinadores diferentes, o Hertha Berlin foi uma das grandes decepções do futebol alemão em 2019/20.

Desde o começo irregular que culminou com a demissão de Ante Covic, passando pela polêmica passagem da lenda Jürgen Klinsmann, e terminando com um pressionado Bruno Labbadia, que ainda precisa convencer. No meio disso tudo, ainda teve o auxiliar Alexander Nouri comandando a equipe interinamente.

Com a chegada de Lars Windhorst, um rico empresário que investiu mais de 200 milhões de euros em 49,9% das ações do clube, o Hertha gozou de um grande poderio financeiro. Foi as compras, gastou e contratou jogadores valorizados, investindo mais de 100 milhões de euros em novos reforços em menos de um ano. Dodi Lukebakio, Matheus Cunha, Santiago Ascacibar, Krzysztof Piątek e Lucas Tousart - este apenas para 2020/21 - foram os nomes contratados.

Mas nem tudo foram flores pra Velha Senhora. As várias mudanças no comando técnico fizeram com que a equipe nunca tivesse uma estabilidade. Jürgen Klinsmann, contratado por Windhorst para ser um dos grandes mentores do novo projeto, se demitiu em pouco mais de dois meses de trabalho. Sem convencer em campo e sem se acertar com a diretoria fora dele, Klinsmann deixou uma impressão ruim e expôs um clima desagradável e claramente bagunçado. Bruno Labbadia foi o contratado para seguir com o projeto ambicioso do clube, mas não engrenou e seguirá sendo bastante pressionado a dar resultados significativos depois de tanto investimento.

Ao fim da temporada, o 10 lugar foi justo apesar de decepcionante, principalmente se levarmos em conta que a equipe flertou com o rebaixamento em parte da Bundesliga. Na DFB-Pokal, uma eliminação pra um capengante Schalke 04, após estar vencendo por 2 a 0, ficou marcada negativamente.

O QUE ESPERAR DA TEMPORADA 2020/21

O Hertha Berlin, em busca de ter sucesso em seu ambicioso projeto, manteve a base e abriu mão de nomes mais experientes do elenco. Nomes como Vedad Ibisevic, Skjelbred e Salomon Kalou, outrora muito importantes, não renovaram e deixaram a capital alemã. A Alte Dame, no entanto, continuou fazendo grandes investimentos como o goleiro Alexander Schwolow e o atacante Jhon Córdoba.

A expectativa desta vez é de que com mais tempo de trabalho, Bruno Labbadia consiga dar uma cara ao time e encontre estabilidade, principalmente devido ao material humano que possui agora. Brigar por competições europeias deve ser, no mínimo, a meta da equipe berlinense.

Ao menos no papel, o Hertha Berlin possui um dos melhores times da Bundesliga. E isso será posto a prova logo no início, quando o clube enfrentará apenas nas 10 primeiras rodadas equipes como Bayern, Borussia Dortmund, RB Leipzig, Bayer Leverkusen e o esperado derby contra o Union. Não terão vida fácil.

A DFB-Pokal, que poderia ser uma boa oportunidade de título, já foi por água abaixo após a derrota por 5 a 4 pro Eintracht Braunschweig, recém-promovido à segunda divisão, logo na primeira fase. Um vexame se formos levar em conta a diferença de investimento entre as equipes.

QUEM CHEGOU E QUEM SAIU

Contratações: Jhon Córdoba (27 anos/Colônia), Alexander Schwolow (28 anos/Freiburg), Lucas Tousart (23 anos/Lyon) e Deyovaisio Zeefuik (22 anos/Groningen).

Promovidos: Márton Dárdai (18 anos/Hertha Berlin U-19)

Retornos: Ondrej Duda (25 anos/Norwich City), Nils Körber (23 anos/Osnabrück), Maurice Covic (22 anos/Ascoli), Daishawn Redan (18 anos/Groningen)

Saídas: Vedad Ibisevic (36 anos/Schalke 04), Salomon Kalou (34 anos/Botafogo), Per Skjelbred (33 anos/Rosenborg), Pascal Köpke (24 anos/Nürnberg), Dennis Smarsch (21 anos/St. Pauli), Marko Grujic (24 anos/Liverpool - fim de empréstimo), Marius Wolf (25 anos/Borussia Dortmund - fim de empréstimo), Thomas Kraft (31 anos/aposentou) e Alexander Esswein (30 anos/sem clube).

DESTAQUE (MATHEUS CUNHA)

O brasileiro Matheus Cunha, desde que chegou ao futebol alemão em 2018, sempre se mostrou talentosíssimo. Apesar de não receber tantas chances no RB Leipzig, foi muito bem quando acionado e uma ótima opção no banco de reservas dos Touros durante toda sua estadia por lá.

Seu desempenho chamou a atenção de vários clubes e o Hertha o contratou em janeiro de 2020 por 15 milhões de euros. Rapidamente mostrou serviço, se destacando e fazendo uma de suas especialidades: marcar golaços. Enquanto a Alte Dame oscilava em campo, Cunha se destacava ainda mais e mostrava todo o potencial pra ser o grande nome do projeto do clube da capital.

Cada vez mais lembrado pelos brasileiros e no radar da seleção, Cunha terá na temporada 2020/21 uma grande oportunidade de se colocar de vez entre os melhores jogadores do futebol alemão. Com apenas 21 anos, é importante ressaltar que apesar da pouca idade, Matheus tem grande personalidade. Até o momento já são 6 gols e 1 assistência em apenas 12 jogos pela equipe Herthaner. Cunha tem tudo pra deslanchar e seguir os passos de Marcelinho Paraíba, brasileiro ídolo dos berlinenses.



FIQUE DE OLHO (ALEXANDER SCHWOLOW)

Idade: 28 anos
Posição: Goleiro

Alexander Schwolow foi um dos melhores goleiros da última Bundesliga. Depois de quatro anos regulares na meta do Freiburg, Schwolow atingiu seu ápice na carreira e teve algumas atuações monumentais no Campeonato Alemão na temporada passada.

Schwolow foi o segundo goleiro com maior número de defesas por jogo na Bundesliga (3.7), o sexto que menos sofreu gols por partida (1.3) e saiu sem sofrer gols em 4 oportunidades.

Aos 28 anos, deixou o Freiburg, clube de sua vida, e foi ao Hertha para um novo desafio, onde a príncipio deve colocar o experiente Rune Jarstein no banco de reservas. Será interessante acompanhar Schwolow e ver como ele se sairá nessa nova jornada.



COMO JOGA E TIME BASE

Como dito anteriormente, o Hertha teve quatro técnicos diferentes na última temporada e nenhum deles conseguiu extrair um futebol vistoso da equipe. A equipe de Bruno Labbadia mostrou certa solidez defensiva com a dupla de zaga Boyata-Torunarigha, mas o ímpeto ofensivo não fluiu e a equipe foi extremamente dependente do talento individual de jogadores como Matheus Cunha e Dodi Lukebakio - este, por sinal, não é tão criativo como o brasileiro.

Jogando frequentemente no 4-2-3-1 com variações pra 4-1-4-1, 4-4-1-1 e 4-3-3, o Hertha costuma jogar com pontas ou meias abertos pra dar velocidade nos contra-ataques. Na parte defensiva, as linhas bem postadas são um ponto positivo. No entanto, o ataque deixa a desejar e depende bastante de cruzamentos pra área buscando o centroavante. O jogo burocrático de Bruno Labbadia precisará melhorar bastante caso a Alte Dame queira conseguir alçar vôos mais altos.

Quanto ao time base para a nova temporada, ainda é difícil saber por conta dos reforços e alguns retornos de lesão, mas é possível traçar um esboço.

4-2-3-1: Schwolow, Pekarik (Zeefuik), Stark, Rekik (Boyata), Plattenhardt (Mittelstadt); Tousart, Darida (Ascacibar); Lukebakio, Matheus Cunha, Leckie (Dilrosun); Piatek (Córdoba)



PALPITE

Gabriel Dufrayer (Fussball BR): 8
ª colocação
Hertha Berlin Brasil: Luta por vaga na Europa League

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.