Os triunfos do Rapid Wien em território alemão

Clubes da Áustria competiram nos campeonatos nacionais de futebol da Alemanha durante sete anos por conta da Anschluss. O Rapid Wien foi o que obteve maior sucesso

Jogadores do Rapid Wien com o (antigo) troféu da Copa da Alemanha | Getty Images
A anexação da Áustria à Alemanha, conhecida como Anschluss, durante o Império Nazista de Adolf Hitler ocasionou a participação das equipes austríacas na Copa e no Campeonato de Futebol da Alemanha entre 1938 e 1945. O Rapid Wien venceu ambos, começando pela Copa, que chamava-se Tschammer-Pokal, em 1939.

A edição de 1938/39 foi a quarta da Copa da Alemanha, até então os campeões haviam sido Nürnberg, VfB Leipzig (Lokomotive Leipzig) e Schalke 04.

O Rapid estreou apenas nas oitavas de final contra o extinto Austro-Fiat Wien e superou os compatriotas sem dificuldade, vencendo por 5 a 1 — que poderia ter sido 5 a 0 se não fosse por gol do rival nos instantes finais. Nas quartas de final, veio o primeiro encontro com um alemão: Waldhof Mannheim. Ao contrário do cenário visto na partida anterior, nesta houve competitividade.

O jogo foi disputado nos domínios do Waldhof, frente a 25 mil espectadores. A equipe austríaca saiu na frente aos 35 minutos em gol marcado por  Franz Binder. Após 6 minutos, Georg Pfeiffer empatou para os Buben. O placar seguiu igual até Georg Schors colocar os austríacos na frente novamente aos 63. Pfeiffer empataria para os alemães, mais uma vez, cinco minutos mais tarde, porém, Wilhelm Holec daria números finais à partida e consequentemente classificaria o Rapid ao mais tardar.

Semifinalista, deu de frente com um dos melhores times alemães da época, o Nürnberg. Agora em casa, contou com atuação de gala de Georg Schors para garantir a presença na decisão. Schors anotou os dois tentos da vitória dos austríacos sobre o Club. Na outra chave, FSV Frankfurt e Wien SC se digladiaram pela vaga. A equipe alemã garantiu a classificação restando três minutos para o final da partida, batendo o Wien por 3 a 2.

A final, assim como é hoje, foi disputada no Estádio Olímpico de Berlim — Olympiastadion para os íntimos — com a presença de 36 mil pessoas. O Frankfurt abriu o placar aos 17 minutos da primeira etapa com Franz Dosedzal. A reação austríaca demoraria a chegar, mas não falharia. Para os torcedores, pior cenário impossível. Restando 10 minutos para o término do confronto, Schors encontraria uma luz no fim do túnel, marcando e recolocando sua equipe no jogo. Johann Hofstätter e Blinder garantiriam o caneco com gols aos 85 e 90 minutos, respectivamente.

Na Gauliga Ostmark, o Rapid terminou na terceira colocação, portanto não avançou às fases finais do campeonato. O Admira Wien foi quem venceu o regional e garantiu a presença entre os times alemães, posteriormente tornou-se vice-campeão ao perder a decisão para o Schalke 04 por incríveis 9 a 0 — maior placar já registrado em uma final de campeonato alemão. 

A conquista do campeonato alemão em 1941

Embora ainda estivesse alguns degraus abaixo do Schalke 04, o famigerado time a ser batido na época, o Rapid Wien era candidato à conquista do troféu Viktoria em 1941. Há de se mencionar que, em 1940, o Rapid não chegou à final por azar. Mesmo jogando em casa, os austríacos caíram diante do Dresdner de Helmut Schön na semifinal. O problema é que o gol que classificou o Dresdner não partiu de seus jogadores e sim de Rudolf Raftl, goleiro do Rapid, decretando a vitória alemã por 2 a 1 em prorrogação.

O percurso até a decisão foi tranquilo. Superior aos compatriotas, nadou de braçada no grupo regional: 12 vitórias, 4 empates e apenas 2 derrotas, campanha que resultou em 28 pontos e primeiro lugar. Na fase seguinte, formada por quadrangulares-quartas-de-final, quatro triunfos e 11 pontos somados em seis jogos. O ataque austríaco foi avassalador nas duas fases iniciais: 106 gols marcados.

O Dresdner seria novamente o adversário da semifinal. A vingança nunca é plena, mata a alma e envenena, diria Ramón Valdés, popularmente conhecido como Seu Madruga, mas o Rapid discorda. A sede de vencer e dar o “troco” era o sentimento e os alviverdes devolveram o placar: 2 a 1. Franz Blinder foi quem anotou os dois gols, enquanto Herbert Pohl diminuiu de pênalti. Enquanto na outra semifinal, o Schalke venceu o VfL Köln por 4 a 1.

Uma nova remontada para glória

22 de junho de 1941: Hitler autoriza mais de 3 milhões de soldados a invadirem o território da União Soviética, dando inicio à Operação Barbarossa, que culminaria na derrota alemã perante os soviéticos na Batalha de Stalingrado quase dois anos depois. A data também marca a final do Campeonato Alemão de 1941,  a qual quase não ocorreu justamente por conta da ação das tropas armadas. A realização da partida só foi autorizada poucas horas antes do horário previsto. 

O Estádio Olímpico de Berlim, tomado por quase 100 mil pessoas, seria o palco da decisão. O Schalke 04 era favorito para o confronto, os azuis-reais tinham um esquadrão poderoso e buscavam alcançar um inédito tri-campeonato consecutivo. Do outro lado, um Rapid Wien querendo se reafirmar dentro do cenário futebolístico alemão. 

Como esperado, os Mineiros começaram sufocando. Em 8 minutos de jogo, o placar já exibia dois a zero favorável aos germânicos. A nível de comparação, na final vencida contra o Admira Wien, o marcador apontava apenas 1 a 0 para os azuis-reais aos 10 minutos. O roteiro era semelhante, mas ainda mais assombroso. Franz Blinder desperdiçaria uma chance de repôr sua equipe no jogo ao errar pênalti a alguns minutos do fim da primeira etapa. Quando o relógio marcava 57 minutos, Heinz Hinz tiraria da cartola o terceiro gol que praticamente indicava o fim da linha para o Rapid. Quem imaginaria que, na verdade, seria apenas o início de uma grande reviravolta?!

5 minutos foram suficientes para os alviverdes empatarem a partida. Schors e Blinder, com dois tentos, seriam os heróis. Franz Blinder ainda marcaria mais uma vez aos 70 minutos, decretando a virada e vitória austríaca. Uma nova remontada e ainda mais histórica devido ao contexto.

Franz Blinder cobra falta e marca o quarto e último gol do Rapid Wien na partida | Getty Images 
O Rapid não voltaria a disputar mais nenhuma final da Gauliga ou mesmo da Pokal, nos anos seguintes. O First Viena seria a equipe austríaca com melhores resultados daí em diante, chegando ao titulo da Tschammer-Pokal em 1943 e vice-campeonato da Gauliga em 1942.

FICHA TÉCNICA 

Rapid Wien (2–2–6): Rudolf Raftl; Heribert Sperner, Stefan Wagner; Stefan Skoumal, Leopold Gernhardt; Georg Schors, Franz Wagner, Hans Pesser, Willy Fitz, Hermann Dvoracek e Franz Blinder. Técnico: Leopold Nitsch. 
Schalke 04 (3–3–4): Hans Klodt; Ötte Tibulsky, Otto Schweisfurth, Hans Bornemann; Bernhard Füller, Rudi Gellesch, Herbert Burdenski; Fritz Szepan, Ernst Kuzorra, Heinz Hinz e Hermann Eppenhoff. Técnico: Otto Faist.

Gols: Hinz, 0–1 (5 min); Eppenhoff, 0–2 (8 min); Hinz 0–3 (58 min); Schors, 1–3 (62 min); Binder, 2–3 (63 min — cobrança de falta); Binder, 3-3 (65 min —  pênalti); Binder, 4–3 (71 min — cobrança de falta).

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.