Dynamo Berlin: o clube que assombrou a Alemanha Oriental e hoje vive no ostracismo

De um lado o escudo antigo dos tempos de Stasi e que o clube deseja retomar, do outro o atual.

O clube ficou conhecido por ser comandado pela polícia secreta (Stasi) e venceu dez títulos seguidos da DDR-Oberliga, o campeonato da Alemanha Oriental


Hoje uma única nação, a Alemanha já foi dividida em duas. No âmbito futebolístico, os clubes da parte ocidental sempre foram muito mais bem sucedidos e de história mais conhecida mundialmente. Já no lado oriental, ainda há histórias muito interessantes que são bem menos famosas. Neste texto, falaremos sobre o BFC Dynamo, clube mais vitorioso da antiga Alemanha Oriental (DDR), que obteve sucesso muito por conta do explícito apoio que recebia da Stasi, policia secreta de inteligência do país. Hoje no ostracismo da Regionalliga, o Dynamo Berlin já foi um clube extremamente vitorioso e principalmente odiado.

Na década de 50, Berlim era dividida. Do lado ocidental, Hertha Berlin e Tennis Borussia Berlin eram os clubes mais populares e bem sucedidos de uma forma que conseguiam atrair torcedores até mesmo do lado oriental. Com toda polarização política presente naquela época, Erich Mielke, o "cabeça" da Stasi, decidiu levar o clube administrado pela polícia secreta de Dresden para Berlim em 1954. O Dynamo Dresden teve todo seu elenco transferido para a capital, onde foi criado o Dynamo Berlin. A intenção desde o princípio era estabelecer um clube hegemônico do lado socialista, para que a população do lado oriental deixasse os clubes ocidentais de lado.

Com o clube criado, se deu início a conturbada história da associação. Em 1959 o BFC Dynamo conquistou seu primeiro título importante, a FGDB-Pokal, Copa da Alemanha Oriental. As campanhas no entanto ainda eram oscilantes no geral e o clube viveu por um bom tempo à sombra do Vorwäts Berlin, clube do exército, que venceu vários títulos nacionais no começo da década de 60. A história só começou a mudar em 1966, quando o governo da DDR ordenou uma reorganização do futebol nacional para que pudessem aumentar a competitividade da seleção oriental. Os clubes foram refundados de forma mais profissional, a liga foi modificada, e desta forma o BFC Dynamo finalmente conseguiu se firmar como um time de elite.

No início da década de 70, os favorecimentos começaram a acontecer. O presidente do clube e manda-chuva da Stasi, Erich Mielke, descontente com o sucesso da equipe do exército, Vorwäts Berlin, conseguiu uma manobra e fez com que a agremiação fosse transferida para a cidade de Frankfurt an der Order, abrindo espaço para hegemonia do BFC em Berlim oriental. Curiosamente, apesar disso, quem dominou o futebol da Alemanha Oriental naquela época foi justamente o Dynamo Dresden, clube que havia sido sabotado pelo de Berlim ao perder todo o seu elenco em 1954 e que já havia se reerguido naquela altura. 

Os jogos entre Dynamo Berlin e Dynamo Dresden se tornaram um grande clássico da DDR.

O Dynamo Berlim se torna um gigante de fato apenas na década seguinte. O clube acumulou incríveis dez títulos seguidos da DDR-Oberliga, o campeonato nacional. Com o favorecimento da polícia secreta, que exercia gigantesca influência na Alemanha Oriental, o Dynamo teve acesso às melhores estruturas, preferência na contratação dos melhores jogadores e muito favorecimento da arbitragem. Durante o período vitorioso do clube que durou da temporada 1978-79 até a 1987-88, o BFC foi amplamente acusado de manipulações de resultados, o que causou euforia na maior parte da população e fez do clube o mais odiado do país. A hegemonia só teve fim com o enfraquecimento do regime socialista, que acabou culminando com a queda do Muro de Berlim e na reunificação da Alemanha.

Com a reunificação, os clubes orientais tiveram que se adaptar ao futebol do lado ocidental. Alguns puderam jogar a Bundesliga, outros começaram nas divisões inferiores. Sem o apoio da Stasi, o BFC Dynamo foi rapidamente engolido e rebaixado. O clube enfrentou a insolvência por mais de uma vez, teve que mudar de nome e até perdeu o tradicional escudo. Com tudo isso foi delegado ao ostracismo. A torcida, que já não era tão numerosa nas épocas de glória, também foi rapidamente dissolvida e os fãs que restaram tentavam fazer de tudo para tentar desvincular a imagem de "clube da Stasi" da agremiação.

Atualmente na Regionalliga, quarta divisão, o BFC Dynamo possui uma média de público de pouco mais de 1.000 torcedores. A nível competitivo, o Dynamo sequer flerta com o acesso para a terceira divisão. A direção tenta estabilizar o clube no quarto nível e evitar novas insolvências, problema frequente nas últimas décadas. Além disso há a incessante busca pelo antigo escudo, famoso por conter a letra "D", que o clube perdeu os direitos e tenta retomar em breve. De história tão polêmica e odiada, o Dynamo Berlin talvez esteja apenas vivendo o que o destino o reservou: o famigerado karma.



Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.