Resumo 3.Liga - Parte 4

Queda abrupta de pontos de Viktoria Koln, Preussen Munster e Sonnenhof Grossaspach complicam ainda mais a situações das equipes e oscilações de Chemnitzer e de Carl Zeiss Jena dificultam a subida na tabela.

Imagem
Bandeiras agitadas com um mosaico no Preussenstadion, em Munster. Casa do Preussen Munster.
Chegamos hoje ao final da série sobre os 20 times da 3.liga e suas situações no campeonato, campeonato de muitas disputas pelas vagas pelo título e acesso, mas também na luta pela sobrevivência na liga. 

16° - FC Viktoria Koln

Imagem
Fabian Holthaus em ação com a camisa do Viktoria Koln. Fonte: Twitter Oficial do Viktoria Koln.

Dos 20 times da liga, o Viktoria Koln foi quem mais mudou de situação no campeonato. De uma equipe de posições intermediarias, até a metade do campeonato, para uma campanha de 4 pontos nos ultimos 11 jogos, sendo a pior time no período, sofrendo 31 gols só na metade final, incluindo 3 goleadas. Dos 42 gols sofridos na liga, ou seja, 73,8% foram nesta fase. A defesa nunca foi o ponto forte da equipe de Pavel Dotchev, que mesmo no seu período mais estavél não levou gols em 3 jogos, e terminou essa 1° parte com esses 3 clean-sheets. Entretanto, o meio e o ataque não são ruins e a equipe mostrou bons valores nas posições mais avançadas. Com Mike Wunderlich, Simon Handle e Kevin Holzweiler, no meio e na frente o artilheiro máximo da competição Albert Bunjaku. Finalizou essa 1° parte da  temporada com 33 gols marcados e 42 sofridos.

17° - FC Chemnitzer


Imagem
Festa de Erik Talig após o gol da virada contra o Hansa Rostock. Fonte: Twitter Oficial do Chemnitzer. 

A equipe da cidade de Chemnitz, na Saxonia, já há um bom tempo vive numa intensa luta contra o rebaixamento na liga e nesta temporada não é diferente, a equipe da cidade que é uma das mais rentáveis para os brasileiros viverem no país. Desde o início já dava mostras que seria mais uma temporada dificil, a equipe só venceu sua 1° partida na 9° rodada contra o Carl Zeiss Jena. Viveu um período de invencibilidade da rodada 11 a 16 que fez a equipe respirar um pouco mais e até sair da zona de rebaixamento, muito disso pelo impacto inicial da chegada de Patrick Glockner, técnico que substituiu David Bergner, demitido na 7° rodada. E que no início de seu trabalho, somou 12 pontos em 24 possíveis. Mas que agora vive uma nova oscilação na competição e apenas venceu um jogo dos últimos 5 do campeonato. Saldo positivo para Glockner que somou mais de 60% dos pontos da equipe no campeonato. Destaques da equipe, são: Phillipp Hosiner (Atacante) e o Tarsis Bonga (ponta). Hosiner é a principal referencia do ataque dos sky blues. Marcou 9 gols e deu 2 assistencias. É um jogador de muito boa finalização, tem 61% de aproveitamento em finalizações, sendo um dos melhores da liga. Se movimenta bastante, sendo bem associativo. Tarsis é muito mais físico, jogador alto e mesmo assim de muita velocidade, embora seja bem grande. Mas que ainda não contribui tanto com gols e assistencias, foram 3 gols e 2 assistencias. Além de ter problemas em tomada de decisão e finalização ruim. Sua imposição fisica conta bastante. O Chemnitzer termina a liga nesta fase com 31 gols marcados e 36 sofridos. 

18° - SG Sonnenhof Grossaspach
Imagem
Festa da torcida do Sonnenhof Grossaspach na última temporada, no Fritz-Walter Stadion, casa do Kaiseslautern. Adversário deste final de semana no retorno da 3.Liga. Fonte: Twitter Oficial do Sonnenhof Grossaspach.

Uma equipe que de certa forma supreende, não se esperava uma equipe tão mal das pernas assim. E que tem grandes problemas quando joga em casa, somou apenas 12 pontos em seus domínios. É uma equipe que sofre bastante pelos lados do campo, seus laterais defensivamente, são bem frágeis. Ofensivamente, também temos poucos destaques. Quem sobra na turma é Panagiotis Vlachodimos, que marcou 1/4 dos gols da equipe no campeonato, ou seja, 5 gols e ainda deu 3 assistencias. Os cruzamentos são a principal forma da equipe agredir os adversários, e não está mal no fundamento, é a terceira melhor porcentagem do campeonato no fundamento, com 23% de precisão. Precisa de melhor eficiencia dos atacantes na equipe, se somarmos todas as opções ofensivas da equipe, o total de aproveitamento de precisão dos atacantes é de apenas 47,5% de eficácia. A equipe de Baden-Wuttemberg, aposta em Markus Lang para a próxima fase do campeonato, após a demissão de Oliver Zapel. Encerrou a liga com uma campanha de 21 gols marcados e 40 sofridos.

19° - SC Preussen Munster


Imagem
Heinz Morschel lamentando mais uma derrota das Die Adler

Se falamos de um dos piores mandantes da liga acima, agora é a vez de citarmos o pior visitante, o Preussen Munster somou apenas 3 pontos fora de casa, pontos estes todos sendo empates. Em casa a campanha também não é das melhores, sendo apenas a décima quinta campanha na liga, com 13 pontos somados, sendo a última vitória contra o Magdeburg por 2x0 na décima nona rodada. Embora não tenha a defesa das mais seguras da liga, o Preussen, em que o goleiro tem a melhor média de gols evitados, com 4.1. Mesmo com nomes conhecidos na 3.liga, o ataque das águias negras, não são lá um dos mais positivos, com apenas 29 gols marcados. O clube tem em Rafat Dadashov sua esperança de gols na liga, com 6 marcados, é o protagonista no ataque. 29 gols marcados e 40 sofridos, foi o que de melhor o Preussen Munster pode apresentar para os fãs da liga.

20° -  FC Carl Zeiss Jena

Imagem
A decepção dos jogadores do Carl Zeiss após mais um derrota na temporada e buscando saudar o apoio da torcida durante 2019. Fonte: Twitter Oficial do Carl Zeiss Jena. 

Assim como o Chemnitzer, acostumamos a ver o Carl Zeiss Jena, brigar pelo rebaixamento na liga e repetindo, esse ano não foge a regra. A equipe foi sem dúvida a pior da liga, somando apenas 12 pontos na liga, com a primeira vitória obtida apenas na rodada 14, quando derrotou o Hansa Rostock em casa e encerrando a sequencia de 7 jogos sem perder do Hansa. Isso tem bastante relação com a chegada de Rico Schmitt, que mudou o jeito da equipe atuar, passando a ter 3 zagueiros, no lugar do antigo, 4-2-3-1 implantado por  Lukas Kwasniok, que foi demitido em setembro e agora treina o Saabrucken, líder da Regionalliga Sudwest. com Schmitt, o grande potencial da equipe foi o meio campo com Ole Kauper, emprestado pelo Werder Bremen e Dominik Bock. Ambos marcaram 6 gols e com a marca, foram responsáveis por 1/3 dos gols da equipe da Turíngia. Deve-se ter mais atenção com Anton Donkor, jogador de muita velocidade pelos lados do campo. O Jena fechou a 1° parte da competição na lanterna da competição, marcando 20 gols e sofrendo 45 gols. 

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.