Lina Magull: "Quando se fala em futebol, trata-se do futebol masculino. Esse é o problema"

Lina Magull deu mais uma ótima entrevista a respeito do futebol feminino. No mês passado, a meia do Bayern de Munique e da Seleção Alemã bateu um papo com o Deutschlandfunk e abordou pontos importantíssimos, que tem gerado debates na Alemanha, como a falta de transmissão dos jogosNovamente: quem acompanha o futebol feminino alemão sabe o quão difícil é assistir aos jogos e a cobertura da mídia alemã é precária - são poucos os veículos que dão a mínima atenção para Frauen-Bundesliga. Neste final de semana, felizmente, o jogo mais importante da rodada terá transmissão aberta ao público através dos canais regionais da Baixa-Saxônia e da Baviera - quem estiver no Brasil, poderá acompanhar através do NDR, a bola rola às 10h de Brasília, no domingo.


Desta vez, Lina conversou com a revista DER SPIEGEL. Entre outras coisas, voltou a falar sobre as transmissões - a falta delas, na verdade - e também abordou temas como a igualdade de bonificações na Seleção Alemã, as comparações entre o nível tático e de atleticismo do futebol masculino com o futebol feminino. Confira a entrevista completa a seguir.


SPIEGEL: Sra. Magull, recentemente tem se falado muito sobre a proibição do futebol feminino, que foi retirada há 50 anos pela Federação Alemã de Futebol. O foco foi em anedotas como o famoso serviço de café como prêmio do título do Campeonato Europeu em 1989. Olhar para trás, para um aniversário, não é surpreendente, mas o constante reavivamento de histórias antigas deve ser irritante: Você não prefere falar sobre o futuro?


Lina Magull: "Não me aborreci com isso. Fiquei contente que houve um relatório sobre este aniversário. Mas é claro que também é importante olhar para o futuro. O futebol feminino agregou valor ao esporte e à sociedade e ainda há muito potencial, muito mais poderia ser alcançado - mesmo com pouco esforço".


No último dia 30 de outubro, a Federação Alemã celebrou supostos 50 anos do futebol feminino na Alemanha - quando, na verdade, são 50 anos do fim da PROIBIÇÃO, estipulada pela própria quando a modalidade começava a engatinhar fruto do impacto do título mundial de 1954; já contamos a história do futebol feminino alemão.


SPIEGEL: Quais são as características fundamentais do futebol feminino?


Lina Magull: "O nosso foco está mais no jogo, no futebol puro - não em coisas como atuações individuais ou riqueza, como costuma acontecer com os homens. Somos caracterizadas pela paixão e perseverança, afinal ganhamos muito menos que os homens, mas trabalhamos no mínimo tanto quanto eles. Somos acessíveis, nos aproximamos de nossos fãs".


SPIEGEL: Você escreveu em um blog que o futebol feminino na Alemanha não tem o status que merece. O que você quer dizer com isso especificamente?


Lina Magull: "É uma questão de percepção. Nossos jogos são exibidos ao vivo? Onde eles são mostrados? Que horas eles acontecem? Não existe uma plataforma uniforme onde você possa saber mais sobre o futebol feminino na Alemanha. Tópicos críticos também podem ser tratados aqui. Mas precisamos de relatórios regulares. O futebol feminino precisa ser comercializado de uma maneira muito melhor. Isso está mudando um pouco no Bayern. Agora está tudo bem se formos mostrados como parte do clube na loja de fãs. Precisamos do apoio dos clubes e da Federação (DFB) para nos tornarmos mais visíveis".


SPIEGEL: As jogadoras precisam conscientizar mais os clubes e Federações sobre isso?


Lina Magull: "Talvez haja poucas jogadoras que sentem que têm essa responsabilidade. Os conselhos das equipes e as capitãs precisam se esforçar mais. Mas: não cabe a nós iniciarmos campanhas. Essas decisões são tomadas por membros masculinos da diretoria do futebol masculino - temos que convencê-los". 


SPIEGEL: A forma como as jogadores alemãs lidam com os desafios em seu esporte é, muitas vezes, muito cautelosa. A sua geração é muito reticente?


Lina Magull: As jogadoras ainda são relativamente jovens e não querem reclamar. Qualquer uma que jogue na seleção e em um bom clube também tem uma vida muito boa. Mas é muito mais do que isso (ter uma vida boa e estar estabilizada na seleção ou em um bom clube): vejo muito potencial no futebol feminino, portanto, quero falar mais vezes em público para estimular o debate de questões importantes".


SPIEGEL: Houve um ponto em sua carreira em que você decidiu que deveria falar mais?


Lina Magull: "Sempre acho fascinante quando jogadores falam o que pensam e não se escondem. No meu caso, passei a me posicionar mais no ano passado. Agora sou capitã do Bayern e tenho um lugar garantido na Seleção. Pretendo assumir mais responsabilidades".


SPIEGEL: Quando se trata de bônus iguais nas seleções nacionais, geralmente se faz referência ao fato de o futebol masculino gerar mais receitas. No entanto, a DFB é uma associação sem fins lucrativos, por isso teria a oportunidade de dar o exemplo pagando bonificações iguais às jogadoras e aos jogadores que servem à Seleção.


Lina Magull: "É ótimo que isso já esteja em prática em outros, embora poucos, países. Na Alemanha, no entanto, vejo as coisas de forma diferente. Não deve ser o objetivo principal ter prêmios iguais por desempenhos com a Seleção Nacional. Para mim, faz muito mais sentido investir mais dinheiro no futebol feminino, no campeonato e nos clubes como um todo. Meu grande objetivo é, um dia, termos uma liga do mais alto nível profissional. No final, avalio como o presidente da DFB, Fritz Keller, que diz: 'Jogo igual tem precedência sobre salário igual.' Mas isso requer apoio financeiro".


SPIEGEL: Mas não é frustrante ter prêmios desiguais? As jogadoras fazem o mesmo que os jogadores.


Lina Magull: "Eu até afirmo que fazemos mais do que os homens por causa do fardo duplo ou triplo. Algumas (jogadoras) estudam, outras trabalham - dificilmente há uma jogadora que seja uma profissional completa. O que importa para a receita é o rendimento (dos jogadores/jogadoras). E aí a situação é muito insatisfatória em termos de marketing e merchandising. O fosso entre homens e mulheres é muito grande".


SPIEGEL: Você falou antes sobre a presença dos jogos na tv e os horários de pontapé de saída, o que a incomoda?


Lina Magull: "Um exemplo: nossa última partida internacional contra a Inglaterra, em outubro, seria  às 16h, durante a semana, em Wiesbaden num estádio que não é atrativo - considerando que não houvesse um cenário de pandemia e tivesse público. Isso é desfavorável e eu me pergunto quem decide isso (onde serão realizadas as partidas). Um jogo assim você tem que ser melhor promovido. O impacto é muito diferente se é realizado em um estádio grande e às 20h (horário nobre)".


SPIEGEL: Os críticos muitas vezes fazem comparações entre o futebol feminino e masculino - em termos de atletismo e tático. Isso é justo?


Lina Magull: "É um problema. Mas eu não acredito que a maioria julgue assim. Todos deveriam ser suficientemente inteligentes para saber nunca alcançaremos o mesmo nível de desempenho que os homens em termos de atletismo. Você não deve ver isso como uma referência e apenas assistir ao jogo com olhos diferentes. Jogamos futebol a um nível elevado, mas não ao nível dos homens. No final, um jogo masculino da terceira divisão não me entusiasma tanto quanto um jogo da Frauen-Bundesliga. Mas eu aprecio qualquer tipo de jogo".


SPIEGEL: O Borussia Dortmund e o Schalke foram muito "pragmáticos" na criação de seus departamentos de futebol feminino e irão começar na oitava divisão. O que você achou disso?


Lina Magull: "Não fiquei empolgado quando vi. Gostaria que os dois clubes crescessem e chegassem à Frauen-Bundesliga o quanto antes. Seria importante para modalidade". 


SPIEGEL: Você pertence a uma aliança de jogadores que foi fundada durante a crise da coroa. Qual é o intuito desta associação?


Lina Magull: "Entrei para a comunidade para ter uma troca especial entre jogadoras. Isso facilita para as jogadores buscarem conselhos em caso de problemas. Era importante, para mim, estar lá porque nós jogadoras não fomos envolvidas em decisões importantes durante o estágio mais avançado da pandemia da covid-19 na primavera".


SPIEGEL: O que aconteceu?


Lina Magull: "Senti-me um pouco excluída na questão de decidir pela continuidade ou não das competições".


SPIEGEL: Você teria optado por não jogar caso tivesse sido envolvida na tomada de decisão?


Lina Magull: "Eu poderia ter dito não. Havia muitas perguntas sem resposta. Ainda hoje não sabemos o suficiente sobre as consequências a longo prazo do coronavirus, mas naquela época a situação me parecia particularmente delicada para quem pratica esportes do ponto de vista da saúde. Houve também uma distorção da competição porque alguns clubes não conseguiam treinar ou treinavam muito pouco".


SPIEGEL: A luta por reconhecimento continua sendo um aspecto importante do futebol feminino. Não deveríamos - e isso também inclui explicitamente a mídia - simplesmente falar futebol em vez de futebol feminino?


Lina Magull: "Quando se fala em futebol, trata-se do futebol masculino. Esse é o problema. Nós, jogadoras de futebol, raramente aparecemos na mídia. É por isso que você tem que apontar que as mulheres também jogam futebol e então você tem que chamar de futebol feminino. Devemos antes olhar para os valores mencionados acima e outros que compõem o futebol feminino e nos diferenciam do futebol masculino. Precisamos de nossa própria identidade".


SPIEGEL: Almuth Schult, goleira do Wolfsburg, seu próximo rival é considerada o rosto do futebol na Alemanha. Você quer a suceder em termos de imagem pública?


Lina Magull: "Não pretendo ver meu rosto em público o tempo todo ou me tornar o sucessor de Almuth. Entretanto, para obter atenção constante, você tem que expressar sua opinião - e é isso que eu quero fazer".


Lina Magull durante um aquecimento pelo Bayern de Munique (Imago Images)

SOBRE LINA MAGULL

Lina Magull nasceu em Dortmund em 15 de agosto de 1994. Antes de chegar ao Gigante da Baviera em 2018, atuou por Gütersloh, Wolfsburg e Freiburg. Desde 2015 joga pela Seleção da Alemanha - fez a sua estreia em um jogo de Eliminatórias para Eurocopa de 2017 contra a Rússia. Desde então, foram mais 43 jogos vestido o manto da Mannschaft.


Em 2012, quando ainda atuava pelo Gütersloh, foi premiada com a "Medalha Fritz Walter" de Prata, entregue desde 2005 aos melhores talentos do futebol alemão. 


Todos os títulos que conquistou em sua carreira até o momento foram no período em que atuou pelo Wolfsburg. Ao todo, seis: duas Liga dos Campeões, duas Copas da Alemanha e duas Bundesliga's. Com a saída de Leupolz para o Chelsea, assumiu a braçadeira de capitã no Bayern de Munique.


Além de ser jogadora, Lina também completou um estágio de escriturária, trabalhou em uma agência de publicidade, tem diploma de nutricionista e também faz cursos a distância de marketing esportivo e jornalismo esportivo.


SIGA O FUSSBALL BRASIL NO TWITTER E NO INSTAGRAM E FIQUE SEMPRE POR DENTRO DAS NOVIDADES DO FUTEBOL ALEMÃO MASCULINO E FEMININO

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.