Sebastian Hoeness, novo técnico do Hoffenheim: "Defendo um futebol atraente, corajoso e agressivo"

Sebastian, que vem de uma das famílias mais importantes do futebol alemão, terá no Hoffenheim sua primeira oportunidade como técnico de um time de elite. Na última temporada, o alemão surpreendeu ao levar o time b do Bayern de Munique ao título da terceira divisão, feito que jamais havia sido alcançado por outra equipe "reserva". Em entrevista à Bundesliga, o jovem treinador (38 anos) falou sobre sua adaptação ao clube, seu estilo de jogo e mais. 

Você é o novo técnico do Hoffenheim desde 1 de julho. Como você se estabeleceu?

"Eu me adaptei muito bem. Ajudou o fato de ter passado um ano aqui como jogador há 15 anos e também ter encontrado um ambiente muito aberto e positivo. Isso me ajudou a me instalar imediatamente, o que é importante porque as coisas estão acontecendo muito rapidamente."

Como está o processo de conhecer a equipe e o clube?

"Acho que estamos chegando ao fim do processo. Não sobraram muitos jogadores com os quais ainda não tive uma primeira reunião, mas também não tive muito tempo para falar com os rapazes em campo. Antes de as coisas realmente começarem, acho importante ter uma conversa individual mais longa com cada jogador. Não se trata apenas dos jogadores como jogadores de futebol, mas também como pessoas e suas origens. Isso me ajudará a saber como lidar com os jogadores individualmente e a entendê-los como pessoas. Isso é importante dentro e fora do campo, e restam apenas alguns jogadores com quem preciso ter essa conversa."

Qual é o seu estilo de comunicação com a equipe?

"Acho importante ter uma relação com os jogadores e ser capaz de os compreender. Espero que os jogadores também me conheçam como pessoa, porque isso nos ajudará a nos entendermos. Acho que o sucesso em campo pode ser promovido se vocês se conhecerem em um nível humano e a comunicação é, portanto, muito importante para mim."

Quais são os novos desafios que espera encontrar no seu primeiro posto como treinador na Bundesliga?

"Penso que é uma questão de adaptação e atualmente estou no meio desse processo. Há muitas coisas novas, mas me sinto confortável e pronto para o desafio. Não foi muito difícil ajustar-se, mas o processo está em andamento e não acontecerá da noite para o dia. Só preciso estar pronto para que as coisas sejam mais intensas do que antes. Há mais nomeações para os meios de comunicação social e eu estou um pouco mais à vista do público. Estas são todas as coisas sobre estar no nível Bundesliga que eu descobri ao longo do caminho."

Seu pai, Dieter, foi artilheiro da Bundesliga no Bayern, jogador da seleção nacional e dirigente de vários clubes da Bundesliga. Seu tio é Uli Hoeness. Que impacto essas figuras influentes do futebol alemão tiveram sobre você?

"Assim como os vários clubes em que estive, o meu pai em particular também me moldou ao longo dos anos. Tenho estado ligado ao futebol, de alguma forma ou de outra, desde que me conheço por gente. Quando era criança, sentava-me ao lado do meu pai quando ele estava ao telefone e só ouvia. Só ouvia o lado dele da conversa, mas aprendi muito. Não posso negar que o meu pai teve um grande impacto em mim ao longo dos anos."

"Ainda chegou um momento em que ganhei minhas próprias experiências e segui meu próprio caminho, mas meu pai ainda acompanhou meu progresso de perto. Isso foi muito importante para mim porque sua experiência é inestimável em certas situações. Há uma forte influência da família e estou muito feliz com isso. Ele é um confidente e ele mesmo já passou por essas experiências, por isso pode me dar bons conselhos aqui e ali."

Que tipo de futebol você defende e que estilo de jogo deseja ver? 

“Defendo um futebol atraente, corajoso e agressivo em todos os aspectos do jogo. Queremos tomar a iniciativa e não esperar o rival. Queremos ditar o ritmo do jogo e temos de ser corajosos e confiar nas nossas próprias capacidades para o conseguir. É isso que queremos tentar fazer no primeiro jogo. A emoção vem de jogar um futebol de ataque, ser corajoso e criar oportunidades na frente do gol."

Você tem um sistema ou formação preferencial?

"É vital ser flexível porque muitos fatores determinam que tipo de equipe somos ou que jogadores temos em campo. Precisamos ver o que a oposição está fazendo e como reagiremos a isso. Não existe um sistema único porque depende de outros fatores e é importante ter flexibilidade. Este é o sistema que joguei até agora e é assim que vou continuar."

Quanto potencial sua equipe tem e qual a importância promover jovens?

“Eu não acho que faria nenhum favor aos rapazes se eu escolhesse algum deles. Vi com os meus próprios olhos que temos muito potencial, mas os jovens jogadores têm de o mostrar todos os dias. Eles precisam aliar sua habilidade futebolística com um pouco de personalidade e mostrar desejo de vencer e profissionalismo a cada dia. Se tudo der certo e eles puderem maximizar seu potencial, levará a um bom desenvolvimento."

“Estou sempre de olho nos jogadores mais jovens porque isso nos dá várias oportunidades. Dá uma certa identidade ao clube e os torcedores gostam de ver jogadores jovens que aqui se desenvolveram jogando na equipe profissional. Os jogadores só precisam ter bons desempenhos porque ser jovem não é uma qualidade em si, mas definitivamente temos aqui alguns jovens jogadores muito empolgantes."

O que significa para você ter seu primeiro emprego na Bundesliga?

"Não significa muito ainda, mas não significa que estou completamente relaxado sobre a situação. Simplesmente não tive tempo para pensar sobre isso ou compreender o significado. Atualmente, tenho tanto a fazer diariamente que não tive tempo para refletir. Tenho certeza de que em algum momento vai torna-se claro, mas as coisas já estão começando e os primeiros jogos já foram disputados, então talvez eu tenha a chance de olhar para trás em dois ou três anos. Estou extremamente feliz por estar aqui porque é uma posição muito especial, mas por agora estou focado em termos um início de temporada bem-sucedido."

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.